RSS

A Tradição Sacerdotal II: características principais

10 jun

“O Verbo” – n° 210 –1ª quinzena de Setembro 2005

A história sacerdotal é uma grande síntese dos acontecimentos primevos de Israel, expressos mediante um estilo muito peculiar. Suas principais características são: “as narrações“, “a cronologia“, “o vocabulário“, “o estilo“, “as genealogias“, “a tradição” e “o culto e o sacerdócio“.

 

De fato, uma das características da história sacerdotal é a imbricação das leis nas narrações. As leis e as instituições são ligadas a acontecimentos que realçam seu valor religioso, classificando essa obra como “histórico-legal” (A. Lods). Alguns exemplos: em Gn 1,1-2,4a, são inseridas na narração duas leis: a da fecundidade e dominação (1,28) e a do sábado (2,3); em Gn 9, no final da narração do dilúvio, volta-se à lei da fecundidade (9,1) e à do respeito ao sangue; em Gn 17, está inserida a lei sobre a circuncisão (17,9-14); em Ex 12,1-13, a legislação sobre a páscoa está ligada à décima praga. E numerosos outros exemplos também podem ser encontrados nos livros do Êxodo e dos Números. O material legislativo é assim repartido dentro do quadro histórico da vida do povo.

A Tradição Sacerdotal (“P“) recorre freqüentemente ao emprego da cronologia. Os textos “P” se caracterizam pelo uso de datas tiradas de um calendário sacerdotal que não é nem o calendário usado na monarquia, nem o calendário babilônico. Os meses não são designados por nomes, mas por números (Gn 7,11; 8,13; Ex 16,1; Nm 1,1).

O vocabulário é preciso e, muitas vezes, técnico. Alguns termos técnicos são próprios de “P“, e o estilo se reconhece com relativa facilidade por ser desprovido de pitoresco. É frio e seco. O apreço pelo uso abundante de números, de enumerações, de listas, surpreende, mas está a serviço de uma teologia perfeitamente articulada.

A importância que a Tradição Sacerdotal confere às genealogias se explica pelo desejo de estabelecer continuidade entre a criação e a história, visando apresentar as raízes do povo. Preocupação legítima e bem compreensível num contexto de exílio como esse. Também o interesse pelo casamento dos patriarcas tem a mesma explicação: o casamento com estrangeiras, na Babilônia, punha em perigo o futuro de Israel.

A obra que os autores sacerdotais criaram não é fruto de pura imaginação, mas da reflexão sobre a tradição do passado. Assim, a sua narração do dilúvio retoma a narração javista e a amplia em função de sua perspectiva teológica própria. Na Tradição Sacerdotal, encontram-se muitos exemplos disso, inclusive quando se trata de textos legislativos e cultuais.

Finalmente, uma grande parte das leis e prescrições é consagrada à organização do culto. Isso se constata facilmente lendo os capítulos do Êxodo que tratam da construção do santuário e das normas relativas ao sacerdócio (Ex 25-31 e 35-40). “Outro indício dessa importância é o lugar de Aarão ao lado de Moisés; descobre-se que a instituição principal para a existência do povo é o sacerdócio. A leitura do Êxodo e de Números mostra-o claramente” (J. Briend). No próximo número: a teologia da Tradição Sacerdotal.

Padre Lucas

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 10, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: