RSS

A Tradição Sacerdotal III: A Teologia de “P”

10 jun

“O Verbo” – n° 211 – Edição Especial – Bens Culturais da Igreja – 2ª quinzena de Setembro 2005

A origem do material da Tradição Sacertotal (“P”) é muito variada. É possível distinguir nela elementos legislativos ou baseados em costumes do povo. Afirma-se que a compreensão da mensagem de “P” se encontra na fórmula da seguinte bênção: Deus os abençoou, dizendo-lhes: Reproduzi-vos e multiplicai-vos e povoai a terra, submetei-a e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves do céu e sobre os animais que se movem sobre a terra (Gn 1,28).

 

Para a Tradição Sacerdotal, os cinco verbos dessa bênção constituem a base de sua fé. Tal bênção é uma afirmação ousada e todo-poderosa pela qual Deus manifesta claramente Sua intenção em relação à humanidade.

A forma imperativa dos verbos (reproduzi-vos, multiplicai-vos, povoai, submetei e dominai) não significa que sejam mais ordens do que autorizações que habilitam os povos a crer e a agir em vista do futuro. Deus reivindica, com essa bênção, Sua soberania sobre toda a criação, que acabara de tirar do caos. Compreende-se melhor ainda o sentido dessa bênção divina vendo-se nela como que uma refutação da situação concreta, de verdadeiro caos, que o povo está vivenciando no Exílio. De fato, essa proclamação positiva se aplica de modo impressionante a um povo exilado, que se vê sem raízes, longe de sua terra e em vias de perder a fé em Deus.

Encontramos essa fórmula também nas narrações do dilúvio: primeiro, para os pássaros e animais (Gn 8,17= 1,22); mas principalmente para Noé e seus filhos (9,1) e para o homem feito à imagem de Deus (9,7). Os exilados podiam vislumbrar aí, uma alusão ao retorno ao seu país. Outro texto, que reforça a mesma idéia, diz respeito às palavras de Deus a propósito de Ismael (17,20) que confirmam o que Deus quer fazer por meio de Isaac, segundo a promessa feita a Abraão (17,2-4).

A mesma fórmula reaparece quando se narra o casamento de Jacó (28,1-4), que serve também para fundamentar a esperança na posse da terra (28,4). A mesma promessa se repete em 35,11ss, onde os exilados podem ver que a Palavra de Deus continua válida também para eles.

Assim, constata-se que a fórmula da bênção perpassa toda a história sacerdotal. De fato, para os exilados em Babilônia, a meditação sobre as suas origens oferecia sólido fundamento para sua fé. Entretanto, “a expressão mais completa da fórmula da bênção se encontra em Gn 1,1- 2,4a, e dela derivam todos os seus empregos subseqüentes (…). Com isso se compreende que a principal preocupação do escrito sacerdotal se orienta para o futuro, isto é, para o tempo no qual a terra será, então, reativada” (J. Briend).

Dessa forma, o todo desses relatos está ligado por uma vigorosa teologia da esperança. A história sacerdotal está, pois, em tensão entre a tradição do passado e a situação do presente. Por isso, colhe subsídios em uma profissão de fé em torno da qual foi composto o Pentateuco. Nosso próximo tema: “A Lei de Santidade (Lv 17-26)”.

 

Padre Lucas

 

 

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 10, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: