RSS

A Tradição Sacerdotal IV: “A Lei de Santidade”

10 jun

“O Verbo” – n° 212 – Edição Especial – 1ª quinzena de Outubro 2005

 

A “Lei de Santidade” (Lv 17-26) forma um conjunto que inicialmente era separado do Pentateuco. Esse conjunto reúne elementos diversos, alguns dos quais, provavelmente, remontam à época nômade, como o cap. 18, por exemplo. Outros são ainda do período pré-exílico, e outros, mais recentes. Uma primeira coleção dessas leis ter-se-ia formado em Jerusalém, pouco antes do Exílio. O profeta Ezequiel a pôde ter conhecido. Contudo, sua edição se deu somente no decurso do Exílio, antes de ser inserida no Pentateuco pelos redatores sacerdotais, que a adaptaram ao resto do material que reuniram.  

 

 

 Pode-se afirmar que a estrutura da Lei de Santidade muito se aproxima da do “código deuteronômico” (Dt 11,1-26,15). “Como o código deuteronômico, a Lei de Santidade se abre e se encerra com prescrições cultuais (Lv 17,1-16 e 26,1-2); apresenta-se como um discurso de Moisés ao povo (17,1-2) e é seguida de bênçãos e maldições (26,3-45). Por isso, a Lei de Santidade, como o código deuteronômico, é uma compilação: as repetições que nele se encontram denotam a existência de pequenas coleções primitivamente independentes” (J. Briend). Todavia, enquanto o Deuteronômio enfatiza a eleição do povo de Israel por parte de Iahweh, a Lei de Santidade se refere com insistência à santidade de Deus e à sua transcendência. Como Deus é santo, o povo de Deus deve ser santo (19,2). Trata-se da fórmula-chave dessa coleção. Ora, a santidade de Deus é uma santidade moral e se impõe ao povo, que recebe o qualificativo de “santo”.

Para se determinar a data em que foi realizada essa compilação, pode ser tomado como ponto de comparação o ministério do profeta Ezequiel, exilado em Babilônia em 597. Ele se refere à Lei de Santidade (compare-se, por exemplo, Ez 18,6 e Lv 18,19 e também Ez 22,11 e Lv 20,12). Ora, Ezequiel não pode ser o criador dessa Lei, porque em alguns pontos importantes ele se distancia dela: o profeta combate, por exemplo, a retribuição coletiva (Lv 20,5; 26,39), enfatizando a responsabilidade individual.

Muitos são os indícios que sugerem que a Lei de Santidade foi compilada paralelamente ao Deuteronômio. A supracitada semelhança entre as estruturas de ambos os códigos tem se constituído num argumento de grande peso a favorecer essa hipótese. Muitos afirmam que a reforma de Josias levou os sacerdotes a proporem um conjunto de leis que viesse contrapor-se ao código deuteronômico. Mas a Lei de Santidade não tem os desenvolvimentos do Deuteronômio. Não se sente o peso da tradição mosaica, tão sensível nas tradições do norte. Como no Deuteronômio, a Lei é a condição para se conseguir a bênção. Com a Lei de Santidade o povo de Israel se acha, portanto, em fase anterior à esperança de uma Nova Aliança (Jr 31,31-34), na qual a Lei ia ser um dom de Deus: Eis que dias virão em que concluirei com a casa de Israel (e com a casa de Judá) uma aliança nova. (…) Porei minha lei no fundo de seu ser e a escreverei no seu coração… No próximo número: “As Leis suplementares”.

Padre Lucas

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 10, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: