RSS

A Tradição Sacerdotal V: “As Leis suplementares”

10 jun

“O Verbo” – n° 213 – Edição Especial – Juventude – 2ª quinzena de Outubro 2005

Ao lado do importante conjunto de leis elaborado pela Tradição Sacerdotal, que já vimos em artigos anteriores, deve-se mencionar ainda a compilação de toda uma série de leis, mais ou menos independentes de seus contextos, bem como “retoques” feitos em leis mais antigas, fortemente influenciadas por Neemias e Esdras. Todo esse material foi introduzido no Pentateuco, por ocasião de sua composição final. De fato, com essas “leis suplementares”, de inspiração sacerdotal, temos a última etapa daquilo que os judeus designam como a “Torah” (5 primeiros livros da Bíblia), e que era o texto reconhecido por judeus e samaritanos como divinamente inspirado. Entre os textos legislativos posteriores à Tradição Sacerdotal podem ser citados os seguintes, mesmo que retomem tradições antigas: “a lei dos sacrifícios” (Lv 1- 7), “a lei da pureza” (Lv 11-16) e as prescrições sobre as festas (Nm 28-29).

 Ora, no ano 538 a.C, possibilitado pelo edito de Ciro, deu-se o retorno do povo de Deus do Exílio da Babilônia. Com a restauração do templo, em 515, a comunidade judaica encontra, aos poucos, a unidade em sua terra. “Essa época nos é obscura porque, para o período que vai de 515 a 450, os documentos históricos são raros. Depois, aparecem dois personagens: Neemias e Esdras” (J. Briend).

Neemias (“Iahweh consola”) foi um dos organizadores mais enérgicos da restauração pós-exílica. Pode ter exercido seu ministério no reinado de Artaxerxes I (445 a.C.). Fora a Jerusalém, com autorização da corte persa, para reconstruir os muros da cidade. Apesar da hostilidade dos samaritanos sob Sanbalat e de outros inimigos, conseguiu restaurar as muralhas em pouco tempo (Ne 2-4). Como governador persa distinguiu-se pelo seu trabalho desinteressado (Ne 5,14-19); defendeu os pobres contra a agiotagem dos latifundiários (Ne 5,1-13). Em 433, voltou para a corte persa (13,6); na sua segunda visita à Judéia tomou medidas contra a profanação do sábado e contra os matrimônios de muitos israelitas com mulheres estrangeiras (13,15-31).

Esdras (“[Deus é] auxílio”), sacerdote e “escriba da Lei do Deus dos céus” (Esd 7,1-5), foi um dos judeus deportados para a Babilônia. Conselheiro do governo persa para negócios judaicos, foi enviado da Pérsia para Jerusalém, com a incumbência de reorganizar a comunidade pós-exílica. Não é certo a qual Artaxerxes se refere. Noth, Rowley e Rudolph datam-no nos últimos anos de Artaxerxes I, considerando a data de Esd 7,7 como inexata. Esdras teria viajado para Jerusalém na companhia de uns 1500 patrícios, aos quais se ajuntaram ainda 238 levitas e servidores do templo, provindos de Cásfia (Esd 7-8). Encarregado pelo governo persa, em 398, de elaborar uma constituição, Esdras não se contentou com a síntese das grandes tradições já existente, mas completou essa obra com a inserção de toda uma legislação cultual posta em prática no templo reconstruído. A perspectiva da história sacerdotal é mantida, mas, em alguns pontos, há não pequena evolução. No próximo número: Síntese das ”tradições” e “Mensagem do Pentateuco”.

Padre Lucas

 

 

 

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 10, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: