RSS

Como interpretar Gn 1-11 (I)

17 jul

“O Verbo” – n° 222 – 2ª quinzena de Março 2006

O desenvolvimento dos estudos bíblicos, bem como o grande avanço científico do mundo moderno – embora já tivessem suscitado uma posição do Magistério, por meio das Encíclicas Spiritus Paraclitus, do Papa Bento XV, em 1920, e Divino afflante Spiritu, de Pio XII, em 1943 – levaram, em meados do século passado, o cardeal Suhard, então arcebispo de Paris, a escrever ao Papa Pio XII e à Pontifícia Comissão Bíblica, indagando sobre a correta interpretação de Gn 1-11. Ora, a referida Comissão respondeu prontamente ao cardeal, em oito questões, sobre o caráter histórico desses capítulos, as quais apresentaremos a seguir, e Pio XII aprofundou-as na célebre Encíclica Humani Generis (em 1950).

Em linhas gerais, a resposta da Comissão Bíblica pode ser assim sintetizada: dado o múltiplo testemunho das Escrituras, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, bem como no ensino quase unânime dos Santos Padres e ainda no sentido tradicional, transmitido ao povo israelita e aceito pela Igreja, deve-se ensinar que, quanto ao conteúdo, esses capítulos contêm a narração de fatos deveras acontecidos, ou seja, correspondem à verdade objetiva e à realidade histórica. Entretanto, em sua forma (gênero literário) são adequados, como não poderia deixar ser, à mentalidade e concepção da época em que foram redigidos. Utilizam-se neles, portanto, alegorias, símbolos e lendas, em parte históricas e em parte fictícias, com o objetivo de inculcar verdades de cunho essencialmente religioso, teológico e moral, para o fortalecimento da fé e a edificação dos espíritos.

Contudo, o sentido literal histórico não pode ser posto em dúvida, pois seu conteúdo histórico refere-se aos fundamentos da fé cristã, a saber: a criação de todas as coisas por Deus; a criação especial do homem e da mulher em igual condição, valor e dignidade; a felicidade original dos progenitores, no estado de justiça, integridade e imortalidade; o preceito divino dado a eles para experimentar-lhes a obediência; sua transgressão, instigada pelo Maligno, e a perda daquele estado primitivo de inocência; bem como a promessa do futuro Salvador.

 Bem mais obscura e complexa é a questão referente às suas formas literárias. Acerca delas ensina a Humani Generis: “não correspondem a nenhuma de nossas categorias clássicas (…) e não se podem julgar segundo o padrão dos gêneros literários greco-latinos ou modernos. Podemos aceitar que esses capítulos não formam uma história no sentido clássico e moderno (…). O primeiro encargo da exegese científica, neste ponto, consiste, sobretudo, no atento estudo de todos os problemas literários, científicos, históricos, culturais e religiosos que se relacionam com esses capítulos. Seria preciso examinar mais de perto os processos literários dos antigos povos do Oriente, sua psicologia, sua maneira de exprimir-se e a noção mesma que eles formavam da verdade histórica. Numa palavra, seria necessário reunir, sem preconceitos, todo o material científico, paleontológico e histórico, epigráfico e literário. Somente assim é possível esperar conseguir maior clareza em certas narrações dos primeiros capítulos do Gênesis”. Pois esses textos “de fato referem, numa linguagem simples e figurada, adequada à mente duma humanidade pouco evoluída, as verdades fundamentais pressupostas pela economia da salvação, e dão, ao mesmo tempo, uma descrição popular das origens do gênero humano e do povo eleito” (AAS 40, 1948, 45-48; ED 581).

Pe. Lucas

 

 

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 17, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: