RSS

Como interpretar Gn 1-11 (II)

17 jul

“O Verbo” – n° 223 – 1ª quinzena de Abril 2006

 

No artigo anterior, começamos a abordar os onze primeiros capítulos do Gênesis. Apoiados no ensino do Magistério, constatamos que neles se encontram elementos essenciais da Revelação.

De fato, quanto ao conteúdo, se referem a acontecimentos verdadeiramente históricos. Entretanto, na forma literária, como não poderia deixar de ser, utilizam-se os conhecimentos e o modo de se expressar então vigente. Portanto, para uma compreensão mais acurada desses textos, faz-se mister conhecer o tipo de literatura que empregam e investigar a sua origem, o tempo em que foram escritos, bem como seu provável autor, e o motivo que o levou a redigir esses fatos. É o que pretendemos apresentar a partir deste artigo.

 

Sabemos que, embora sejam as primeiras páginas da Escritura, esses textos foram escritos bem mais tarde, em relação a outros textos da Bíblia. Ninguém presenciou a origem do universo e do ser humano. Os acontecimentos a que se referem nasceu da experiência da fé do povo de Deus e do seu contato com a cultura de povos vizinhos, pois todos sempre nutriram não pequena curiosidade acerca das origens do mundo e da vida humana. Assim, surgiram na antiguidade muitas cosmogonias, ou seja, explicações para a gênese do cosmo e da humanidade.

 

Israel conheceu essas explicações e, à luz de sua fé, iluminado pelo Espírito divino, as adaptou para transmitir a mensagem a respeito de Deus e do Seu desígnio para com os seres humanos. Durante muitos séculos, tudo isso foi transmitido oralmente, de geração em geração. Somente mais tarde é que foram registradas graficamente.

 

Seus autores humanos nos são desconhecidos. Sabemos, entretanto, que, na época da monarquia em Israel, é que se começou a redigir a Escritura. Provavelmente no reinado de Salomão (950 a.C.), surgiram alguns desses capítulos em questão. São os que pertencem à “Tradição Javista” (J). Outros, oriundos do Norte, cerca de 200 anos mais tarde, pertencem à “Eloísta” (E). Durante o Exílio na Babilônia (587 a.C.), os sacerdotes (P) revisaram esses escritos e, inspirados por Deus, os completaram e os aprofundaram e também produziram outros novos (recomendamos ter sempre presente os dados sobre as “Tradições” já apresentados nos artigos anteriores). Sábios judeus, de volta à sua terra, após o fim do Cativeiro, deram o retoque final a esses capítulos. Portanto, segundo a pesquisa científica, sua redação é o resultado de um longo processo, que abrangeu, aproximadamente, cerca de quinhentos anos.

 

Esses capítulos não foram pensados para ser debatidos em academias científicas, para ver quem tem razão: a ciência ou a Escritura. Foram escritos com o objetivo único de fortalecer a fé do povo no Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó. Ora, a investigação sobre o modo como tenha ocorrido a formação do Cosmos e da vida no universo é de domínio exclusivo da Ciência e não da fé. À fé compete afirmar o sentido pleno e teológico da criação e, neste aspecto, Gn 1-11 responde às questões que sempre se impuseram ao ser humano: Quem sou eu? De onde vim? Para onde vou? Por que trabalhar? Por que o sofrimento? Por que alguns homens dominam outros? Por que há morte?

 

(Continua…).

Padre Lucas

 

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 17, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: