RSS

Como interpretar Gn 1-11 (III)

17 jul

“O Verbo” – n° 225 – 1ª quinzena de Maio 2006

Os relatos de Gn 1-11 são fruto da reflexão dos sábios de Israel, ao longo de sua caminhada, com o objetivo de decifrar, à luz da fé, o sentido do universo e do ser humano sobre a Terra. O ponto de partida desses capítulos é a experiência da ação de Deus em sua própria história. A Aliança feita com Deus é o fundamento de sua visão de mundo e da existência humana.

    De fato, Deus fez um pacto de amizade com Israel: “Eu serei o vosso Deus, e vós sereis o meu povo”. Deus o libertara da escravidão do Egito, dera-lhe uma Lei e o conduzira à Terra Prometida. Era, pois, a fidelidade à Aliança que lhe garantiria a bênção e a prosperidade. Todos os anos, Israel celebrava as gestas de Deus em seu favor, e renovava a Aliança, prometendo fidelidade e obediência à Sua vontade.

Mas, manter-se fiel à Aliança foi sempre um grande desafio para esse povo. E muitas vezes a rompeu, cultuando a outros deuses. Sofreu amargamente as conseqüências de sua idolatria.

 Os autores desses capítulos comprovam que todo o mal que atinge o povo é conseqüência da infidelidade à Aliança. Assim, para os sábios de Israel, a fidelidade à Aliança significa bênção e prosperidade, ao passo que a infidelidade era sinônimo de maldição e sofrimento. Portanto, a Aliança é a idéia básica que permeia todo o conjunto Gn 1-11.

Sabemos que esses capítulos foram escritos em épocas diferentes, por autores diversos e em lugares também distintos. Foram reunidos no Exílio e, após o retorno à Terra, foram retocados pelos sábios e organizados na Bíblia, como os encontramos hoje. Por isso, conservam uma série de acontecimentos narrados com mais de uma versão.

Assim, encontramos na Escritura duas narrações diferentes sobre a criação do mundo e do ser humano. O capítulo 2, a partir do versículo 4b, é a mais antiga. Foi redigida, provavelmente, no tempo da Monarquia (950 a.C.). Pertence, portanto, à “Tradição Javista”. O capítulo 1 até o capítulo 2,4a é posterior. Foi escrito no Exílio da Babilônia. Pertence à “Tradição Sacerdotal”. Como veremos, cada narração reflete uma mentalidade própria.

Já constatamos anteriormente que a Bíblia não quer explicar “como” surgiram o mundo e o ser humano. Para o autor da Escritura, o importante é mostrar qual é o projeto de Deus para com a Sua criação.

Todas as antigas civilizações procuravam explicar a origem do mundo. Elaboraram sua própria Cosmologia. Explicavam este mundo, a partir da mera observação natural e das idéias que tinham. Era uma visão ingênua, infantil, pois não possuíam a visão que temos hoje, por não disporem de nenhum recurso técnico ou científico como o homem moderno.

 

Iam até onde seus olhos o permitiam. Para eles, a terra era uma espécie de prato, um disco, coberto por uma abóbada azul e sólida, bem firme. Daí a denominação, “firmamento”. Acima e abaixo desse disco, ficavam as águas. No firmamento, Deus pendurou o sol, a lua e as estrelas. O universo era concebido como que uma casa de três andares: Deus morava acima do firmamento; os seres humanos na Terra; e os mortos ficavam embaixo, num lugar chamado SHEOL.

 

(Continua…).

Padre Lucas

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em julho 17, 2008 em Biblia, Estudo Biblico

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: