RSS

Teologia de Gn 1,1-2,4a (VI)

01 set

“O Verbo” – n° 233 – Especial – Fórum Eleições 2006 –

1ª quinzena de Setembro 2006

No artigo anterior, concluímos a série de quatro obras criadas nos três primeiros dias (Gn 1,3-13), e que indicam a “criação dos espaços”. Santo Tomás de Aquino (séc. XIII) faz uma distinção entre essas obras – “o céu, a terra e todo seu exército”-, às quais denomina opus distinctionis, por se referir “àquilo que se acha firme”, e às seguintes, opus ornatus (Gn 1,14-31), aquilo que e se move dentro desses “espaços” (Summa Theol. I, q.70, a.1).

Hoje, abordaremos a quinta obra: Deus disse: ‘Que haja luzeiros no firmamento do céu para separar o dia e a noite (…). Deus fez os dois luzeiros maiores; o grande luzeiro como poder do dia e o pequeno luzeiro como poder da noite, e as estrelas (…). Houve uma tarde e uma manhã: quarto dia (Gn 1,14-19).

 

Essa obra é o complemento da primeira, da qual é paralela. No esquema dos sete dias, tornam-se dois momentos muito importantes: o início, v.3 (criação da luz), e o centro, v. 14ss. (criação dos astros e estrelas). Isso denota a importância da temática da luz e dos astros para a teologia desse poema.

 

Nos espaços da luz e das trevas são colocados respectivamente os objetos luminosos do dia e da noite: ‘Que haja luzeiros no firmamento do céu para separar o dia e a noite (v.14a): Não é certo se o autor quer aludir à causa da separação (a luz solar), dado que já no primeiro dia ocorre a separação entre o dia e a noite, ou, então, se quer apenas significar que os astros respectivos assinalam o “dia”, tempo luminoso, e a “noite”, tempo tenebroso. Ainda se acreditava que o suceder-se da luz e das trevas era dependente da luz solar.

 

A grande preocupação do poema, sem dúvida, é com a influência da religião babilônica sobre os hebreus exilados. De fato, no Império Babilônico, “os símbolos maiores de sua crença oficial eram os astros. Estes eram divindades. Na capital, o santuário central estava dedicado ao sol. Por conseguinte, todo o Império se entendia como representante do sol. Seu exército que massacrava o mundo fazia-se passar por embaixador da divindade celeste. Para poder enfrentar esta maquinária militar e imperial, era, pois, necessário desautorizar o sol como divindade” (M. Schwantes). Por isso, fala-se em luzeiro grande (1,16); o sol não é designado por seu nome próprio, por ser o nome da divindade Sarnaš: para evitar equívocos, trata-se de um luzeiro (mã’ôr) e não de uma divindade! Analogamente quanto à lua, o luzeiro pequeno (1,16), cujo nome se evita pelo mesmo motivo: existia também a deusa Lua, Yerah: “A divinização dos astros era tão tentadora, que o autor deve ainda lhes reconhecer um papel de ‘poderes'” (R. de Vaux).

 

Portanto, o texto assevera que sol, lua e estrelas não são deuses, mas criação de Iahweh, o único Deus. Ele criou, já no primeiro dia, a luz, independente dos astros, quando ainda não havia astro nenhum. Neste sentido, os astros não geram luz, apenas a repassam. Trata-se de uma teologia arrojada e potente, que almejava combater definitivamente a deificação dos astros. Assim, o poema alcança um grau ímpar de abstração para a mentalidade semítica. Não sendo os astros deuses, ruía todo o edifício religioso que dava ares sagrados ao Império Babilônico. Dessa forma, o exilado hebreu era fortalecido em sua fé javista, e podia resistir à sedutora idolatria estrangeira.

 

Padre Lucas

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 1, 2008 em Biblia, Estudo Biblico, genesis

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: