RSS

Teologia de Gn 1,1-2,4a (X)

01 set

“O Verbo” – n° 239 – 1ª quinzena de Dezembro 2006

No artigo anterior, abordamos o “sexto dia” (Gn 1,27-31), no qual se deu a criação do ser humano (homem e mulher, Deus os criou), obra prima de Deus. Os versículos que serão analisados hoje (Gn 2,1-4a) são a conclusão desse relato, unanimemente atribuído, conforme já mencionamos, à Tradição Sacerdotal.

Assim foram concluídos o céu e a terra, com todo o seu exército. Deus concluiu no sétimo dia a obra que fizera e no sétimo dia descansou, depois de toda obra que fizera. Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, pois nele descansou depois de toda a sua obra de criação. Essa é a história do céu e da terra, quando foram criados.

 

Com todo o seu exército: sem dúvida quer acentuar a criação de tudo o que se move dentro dos espaços celestes e terrestres criados por Deus. Dessa forma, salienta-se que tudo o que se desloca, fervilha, rasteja ou caminha nesses espaços é obra do único e mesmo Deus.

 

Deus concluiu no sétimo dia a obra que fizera. O Texto Samaritano e os LXX, seguidos por muitos críticos modernos, traduziram no sexto dia, por não parecer exata a tradução no sétimo dia. Entretanto, o sexto dia, já fora concluído em Gn 1,31. E a idéia do término de toda a obra divina já se encontra claramente expressa em Gn 2,1: Assim foram concluídos o céu e a terra… De fato, agora se trata do sétimo dia, que, nesse contexto, se repete por três vezes (duas, em Gn 2,2 e uma em 2,3). Isso equivale a afirmar que o mundo estava acabado no sexto dia, não porque se esgotara o poder divino, mas porque Ele decidira não criar nada mais.

 

E no sétimo dia descansou. A idéia antropormórfica do repouso divino é apresentada como protótipo do descanso humano. Todo esse capítulo parece culminar no sétimo dia, ou sábado. E isso não é mero acaso. Trata-se de algo intencional: o hagiógrafo enfatiza o sétimo dia, porque os opressores babilônicos – sabemos que esse capítulo nasceu no Exílio – não adotavam o calendário semanal. Suas festas derivavam-se do ritmo lunar, “e eram, se muito, quinzenais. E, por outro lado, o trabalho forçado, imposto pelos opressores, exigia atividade contínua, sem dias de festa e sem descanso (…). Gênesis 1 celebra o motivo mais profundo do sábado. Este se encontra no próprio Deus (Deus abençoou o sétimo dia!): quem pára no sábado, participa do ser e agir de Deus. Negar-se ao trabalho, ao menos num dia, é corresponder ao Criador (…). Nas circunstâncias do Exílio, o sábado era, antes de mais nada, uma necessidade concreta. É efetivamente descanso para as mãos e para o corpo. É espaço em que caem as algemas… A escravidão destrói o corpo. Traz morte precoce…. É, pois, vital lutar por um espaço para que o corpo descanse… O descanso puxa a memória. Correm as lembranças a respeito dos tempos passados, em Jerusalém. Pergunta-se: “por que estamos aqui no desterro?’(…) Gênesis 1 é, pois, uma liturgia que fomenta a exigência pelo sábado, como dia de descanso do corpo, da organização do povo, do cultivo da memória” (M. Schwantes).

 

Padre Lucas

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 1, 2008 em Biblia, Estudo Biblico, genesis

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: