RSS

Teologia de Gn 1,1-2,4a

01 set

“O Verbo” – n° 227 – Especial Missões em Marabá

Antes de abordamos a Teologia desse capítulo, faz-se mister uma análise, ainda que superficial, de sua estrutura literária. É o que nos propomos realizar, a partir do presente artigo. Para uma compreensão mais acurada da leitura e estudo deste texto, sugerimos a utilização da Bíblia.

A história de Gn 1,1-2,4a forma o prólogo do Pentateuco e é uma das páginas mais encantadoras de todo o Antigo Testamento. É totalmente didático e de expressivo conteúdo teológico e catequético. Entretanto, não tem o estilo da prosa habitual, e é profundamente poético. Utilizam-se frases imponentes, solenes, com muito ritmo e harmonia. Possui sete estrofes intercaladas por um belíssimo refrão que se repete por seis vezes: “Houve uma tarde e uma manhã…” (vv. 5, 8, 13, 19, 23 e 31). Cada uma de suas partes é estudada nas relações com o conjunto, provavelmente, para ser retida na memória. De fato, há quem afirme que terá sido repetido na liturgia: “Na assembléia do povo, esse capítulo terá sido recitado, talvez até em responsório, entoado pelos que presidiam a reunião” (M. Schwantes).

 

A unidade desse capítulo faz-se utilizando um artifício que consiste, em primeiro lugar, no fato de o processo criativo, precedido duma introdução (1,l-2) e seguido por uma conclusão (2,1-4a), ser apresentado em oito quadros, descrevendo cada um deles uma obra da criação em termos semelhantes.

 

Assim, a narração das oito obras é feita mediante algumas fórmulas que se repetem invariavelmente em quase todas elas, enquanto varia a parte que descreve cada obra em particular. Esta, por sua vez, se subdivide, também, em cada quadro, em dois tempos: ordem e execução.

 

Essa sucessão de oito obras, com a mesma fórmula, visa, provavelmente, o efeito final, isto é, destacar a última obra, na qual se evidencia um desenvolvimento mais amplo e elevado: a criação do ser humano como “coroa” de toda a obra divina.

Em segundo lugar, o artifício dispõe as oito obras em duas séries paralelas de quatro cada uma, de sorte que as obras da primeira série apresentam a criação dos espaços, enquanto as obras da segunda série descrevem a criação dos seres que se movimentam e que se acham reunidos nos respectivos espaços.

 

Assim, as obras se correspondem e se complementam mutuamente, duas a duas. De fato, à primeira, a “luz” (v. 3), corresponde a quinta obra da criação, “astros e estrelas (vv. 14-18); à segunda, “o céu” (vv. 6-8), corresponde a sexta obra, “aves, peixes, répteis (vv. 20-23); à terceira obra, “terra e mar” (vv. 9-13), corresponde a sétima, “os animais” (vv. 24-25); à quarta, “verduras, árvores, sementes e frutos” (vv. 11-13), corresponde a oitava obra, o ser humano (vv. 26-31). Essa última correspondência não é perfeita, sendo a última obra, a criação do homem, algo totalmente novo e extraordinário.

 

Finalmente, um terceiro artifício consiste em distribuir as oito obras em seis dias, uma para cada dia, mas duas no terceiro e, igualmente, no sexto. O sétimo dia se acha na conclusão. Sobre a objetividade ou não desses dias, referir-nos-emos oportunamente. (Continua…)

 

Padre Lucas

 

 

 

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 1, 2008 em Biblia, Estudo Biblico, genesis

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: