RSS

Teologia de Gn 1,1-2,4a(IX/2)

01 set

“O Verbo” – n° 237 – Especial Mãe Rainha Schoenstatt –

1ª quinzena de Novembro 2006

 

No texto anterior, começamos abordar a “oitava obra”: o ser humano. Analisamos Gn 1,26a; foi a primeira parte deste artigo. Hoje, abordaremos Gn 1,26bc: E domine sobre os peixes do mar, as aves do céu, os animais domésticos, todas as feras e todos os répteis que rastejam sobre a terra.

Como “imagem de Deus”, o homem está colocado bem acima de todas as criaturas, mas a sua própria dignidade de pessoa lhe impõe também um limite superior. Dessa forma, a “semelhança” com Deus é aquele algo no ser humano que o faz superior aos animais, dá-lhe o direito de dominá-los. Nesse texto, o que surpreende é a intensidade das expressões que descrevem o relacionamento de superioridade humana diante dos demais seres. De fato, os verbos “pisar”, “submeter”, “dominar” (kâvâsch, râdâh) são deveras intensos. Lembremo-nos que, no Exílio, o grande perigo para Israel era aderir à idolatria pagã e, nos cultos politeístas, muitos animais e elementos da natureza eram divinizados. Daí a ênfase na superioridade do ser humano em relação aos demais seres criados.

 

Contudo, não podemos entender esse “domínio” no sentido de “poder” absoluto sobre a criação, mas que o homem deve administrar sabiamente todos os bens criados. O direito de dominar não inclui certamente o direito de destruir a natureza, sacrificar e matar os animais. No relato Sacerdotal, de acordo com a vontade criadora de Iahweh, os vegetais são o alimento tanto do homem como dos animais (Gn 1,29-30).

 

Ao ser humano foi confiada a administração da Terra e dos seres. Isso equivale a afirmar que ele deve exercer seu papel de acordo com os desígnios do Criador. O homem não é senhor do mundo, mas colaborador de Deus. Portanto, não tem licença para manipular, destruir ou explorar irracionalmente os bens criados. É o que sabiamente ensina a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, do Concílio Vaticano II: Com efeito, o homem, criado à imagem de Deus, recebeu a missão de submeter a terra com tudo o que nela existe, de governar o mundo em justiça e santidade e, reconhecendo a Deus como o Criador de tudo, orientar para Ele o seu ser e tudo o mais, de maneira que, com a submissão de todas as coisas ao homem, o nome de Deus seja glorificado na terra (n. 34).

 

Assim, Deus colocou o ser humano no mundo como sinal de Sua soberania, para guardar e executar Seus direitos de Senhor. Ora, os grandes reis terrestres tinham também o hábito de levantar em seus impérios estátuas que os representavam, como sinais de sua majestade. Mas, o povo de Deus entendeu que a soberania divina se estende a toda a terra e não se limita unicamente aos animais. Foi nesse sentido que Israel considerou o homem como mandatário de Deus. Nesse texto, os animais são ainda mencionados porque somente eles poderiam ser rivais do homem e fazer-lhe concorrência; por isso lhe são expressamente submetidos.

 

Por tanto, o elemento fundamental da “imagem de Deus” é a função do homem para com o mundo. Além de vir de Deus, a criação é dotada, pela “semelhança” divina do homem, de uma certa finalidade que a ordena a Deus.

 

Padre Lucas

 

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em setembro 1, 2008 em Biblia, Estudo Biblico, genesis

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: